Páginas

quarta-feira, 25 de junho de 2014

O que faz um vendedor ser produtivo?


Coisas "básicas" como (1) Dormir bem, tipo 7.5 horas por dia (muita coisa para mim, mas é o ideal) (2) Comer direito (Café da manhã de rei!), (3) Morar dentro de um CRM, (4) Abraçar o mundo mobile com CRM e Evernote, (5) Malhar, (6) Usar a agenda, (7) Planejar o dia. Dicas da Salesforce, assino embaixo! E Você?

sexta-feira, 28 de março de 2014

Centro de Controle de Zoonoses promove evento para adoção.


segunda-feira, 24 de março de 2014

Palestra Gratuita Vender mais e melhor - paixão por vendas




A Associação Comercial de São Paulo – Distrital Centro tem a satisfação de convidá-lo(a) para a palestra:
Vender mais e melhor - paixão por vendas
A palestra irá abordar os seguintes tópicos: 
  • Técnicas de PNL, Comunicação e Motivação para Sua Empresa;
  • Encantar mais Clientes;
  • Mais Satisfação dos Seus Colaboradores;
  • Sua Empresa Vender Mais e Melhor;
Palestrante: Professor Ribeiro Sousa
Palestrante e Consultor  Especialista em Marketing e Vendas; Engenheiro de Produção, pós-graduado em Gestão de Negócios pela PUC-SP; Master Practitioner  e Trainer  em  Programação Neuro Linguística – PNL; Eleito Melhor Palestrante de Motivação e Vendas do Brasil; Eleito Melhor Consultoria de Gestão de Vendas e Marketing do Brasil; Eleito Melhor Curso de Vendas da América Latina.
Data: 25 de março de 2014 (terça-feira)  Horário: 18h30
  Local: Auditório da Distrital Centro - Rua Galvão Bueno, 83 - Liberdade - São Paulo/SP
  Vagas limitadas! 
Confirme sua presença pelos telefones:3208-5753 / 3207-9366ou pelo e-mail: dcentro@acsp.com.br
Emitimos certificado de participação (o mesmo deverá ser solicitado no dia do evento, na recepção).
Palestra beneficente (adesão): 2 quilos de alimentos não perecíveis ou 2 litros de leite, que serão  destinados a Entidades carentes parceiras da Fundação Professor Ribeiro Sousa.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Cursos e Graduação EAD Grátis.




Com o mundo on -line agora ficou mais fácil se atualizar e até mesmo se graduar on-line.
Hoje existem vários sites que colaboram com nossa formação e crescimento profissionais.
Um deles é o Veduca uma empresa brasileira de tecnologia cujo propósito é levar o ensino superior de qualidade a qualquer pessoa que se disponha a aprender. Você faz cursos de graduação de várias universidades do mundo de Harvard á USP.
Tem também o www.neadsenaies.com.br que promovem cursos on line pelo SESI e  SENAI gratuitos.
O http://www5.fgv.br/fgvonline/Cursos/Gratuitos/  FGV com cursos muito interessantes.
A metodologia da Educação a Distância é bastante flexível em relação ao tempo diário de estudo. Assim, os treinamentos são planejados a partir de um cronograma de atividades que contempla todas as etapas que os alunos devem cumprir, o que exige disciplina e comprometimento. Porém para quem tem determinação é muito interessante se utilizar desta ferramenta para ampliar sua área de conhecimento.
Bom estudo á todos!
Ana Jalloul 



quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Lançamento da coletânea do mutirão cultural da União Brasileira de Escritores- UBE



Dia 26/11/2013 foi realizado o lançamento da primeira edição da coletânea do mutirão cultural da União Brasileira de Escritores- UBE.
Com um sarau intimista e um clima descontraído, os autores se encontraram para celebrar esta primeira edição que será com certeza a primeira de muitas.
No meio do evento tivemos uma enorme surpresa a presença de João Meireles Câmara que mesmo com a saúde debilitada fez questão de nos honrar com sua presença.
O livro foi idealizado por Armando Taminato ( in memorian) e Sueli Carlos ambos voluntários e idealizadores do mutirão cultural, que  trouxeram a oratória a vida de muitos inclusive a minha.
Este livro é a junção de sonhos, conquistas e amizade.


"Aquele que tem inteligência para criar uma boa ideia, deve ter inteligência para divulga-la o mais breve e em menor espaço de tempo possível." João Meirelles Câmara



Sueli Carlos


Alguns dos Autores Reunidos

Carlos Frydman 

João Meireles Câmara
.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Palestra Gratuita: Toque Quântico



Descubra o poder desta incrível técnica curadora!

dia 28 de novembro (quinta-feira)
das 20h às 22h

Entrada franca!

com a psicóloga Cecília de Lillo

É uma técnica de cura energética/vibracional. Toda cura é auto-cura. Ninguém pode realmente "curar" alguém. A técnica é feita através da meditação, respiração, força vital do Amor e intenção.

Através da intenção, meditação, respiração e a força vital do Amor, o terapeuta eleva seu campo vibracional e trazendo junto a pessoa, entram em ressonância e sincronicidade.Pode ser usado praticamente em tudo.

Para qualquer tipo de desconforto, físico, mental, emocional, espiritual.Venha e conheça muito mais!

Faça sua inscrição (11) 2942-0149 contato@institutoevoluir.com.br


Alguns benefícios:
- Rápida recuperação de lesões desportivas;
- Aceleração da cicatrização;
- Curando dores de cabeça;
- Impulsionar o sistema imunológico;
- Recuperação pós-cirúrgica;
- Problemas emocionais.
profissional:

 Cecília de Lillo

endereço
Rua Fernandes Pinheiro, 295
CEP 03308-060
São Paulo - SP
Brasil

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

COMO DESENVOLVER A AUTO-ESTIMA


Auto-estima é o valor físico e emocional que você dá a si mesmo. Ter auto-estima significa sentir-se alguém de valor e capaz de enfrentar desafios, perseguir objetivos e desenvolver soluções. Quanto maior a auto - estima, mais facilidade terá a pessoa em lidar com perdas, sofrimentos e desafios. Pessoas dotadas de nível saudável de auto-estima também se sentem inseguras ou sem esperança em determinados momentos, mas vencem facilmente esta fase. Elas recuperam o foco positivo da vida com maior rapidez.

Pessoas com nível de auto-estima pequeno receberam muitos estímulos negativos na fase de crescimento. Pais e professores bombardeiam a auto-estima dos jovens: “ você nunca vai ser nada na vida”, “ você não presta para nada mesmo ”, “ o filho do vizinho é melhor ”, “ seu irmão faz melhor ”. Dessa forma uma pessoa adulta não terá auto-estima em bom nível. Faça o que fizer, nunca se achará boa o suficiente. 

Três necessidades básicas não são sustentadas quando somos depreciados: ser notado ( = ser reconhecido ), ser aceito e ser amado. A satisfação destas necessidades básicas na infância causa grande impacto na maneira de ser do adulto e se não forem supridas, ele passará a vida tentando satisfazê-las, fazendo com que os outros lhe dêem atenção e o ajudem. Não obtendo o que deseja, terá sua auto-estima. 

As vezes não é a forma de dizer dos pais que prejudica a auto-estima, mas o modo como nós mesmos interpretamos os fatos da vida. Você pode ter sempre ouvido: “filho você é ótimo”, aí vai estudar e se dá mal. Sentir-se-á um fracassado, sem competência, um “burro”. A pessoa com auto-estima baixa não consegue enxergar suas qualidades e potencial, por isso é pouco criativa, insegura, dependente dos outros, tem pouca iniciativa, nos casos piores medos injustificados, timidez extrema e complexo de inferioridade. Em outros casos é perfeccionista, obsessiva, tensa, porque não aceita fazer as coisas se não for com perfeição, afinal precisa compensar o dito na infância: “você nunca faz nada certo!” 

Não existe fórmula milagrosa para desenvolver a auto-estima, mas uma série de recomendações que se aplicadas em conjunto, ajudarão você a vencer o derrotismo. Sugestões para desenvolver a auto-estima: 


Não se auto castigar quando ouvir coisas ruins a seu respeito. 
Saber administrar os altos (elogios) e baixos ( críticas) sem entrar em depressão. 
Saber gostar de si e apreciar a vida, mesmo que receba críticas fortes. 
Evitar crenças do tipo: “por mais que me esforce nunca serei tão bom”, “toda felicidade dura pouco”, “ não vale a pena se esforçar, sempre terá alguém melhor que eu”. 
Estabelecer metas de vida no campo da auto-estima para melhorar a qualidade do relacionamento consigo mesmo e com os outros. Busque ajuda em livros, cursos, palestras e terapias. 
Procure se conhecer melhor: analise porque sua auto-estima anda tão baixa; procure identificar objetivamente onde estão as causas específicas dos seus problemas, depois tente trabalhar as mesmas. Descobrir as causas é meio caminho para as soluções. O auto-conhecimento e a ajuda da psicologia permitirão identificar duas pessoas em você: a que você imagina ser e a que você é de fato mas está fraco para assumir. 
Procure substituir sentimentos de inferioridade por idéias positivas. Imagens negativas e idéias de auto - depreciação ficaram registradas em seu inconsciente. Você precisa estimular idéias construtivas ao seu próprio respeito. Procure se lembrar de fatos bons de sua vida quando surgirem os pensamentos negativos, isto elevará sua auto-estima. 
Vença o círculo vicioso do fracasso: 

1º.) Sua auto-imagem e estima estão afetadas (“Sou um fracasso”); 
2º.) Acontecimentos indesejáveis ocorrem na vida: (não ser reconhecido, perder o emprego, etc:); 
3º.) Tais acontecimentos reforçam a idéia de que é “um fracassado”; 
4º.) Surge o medo de fracassar; 
5º.) Você fracassa de tanto pensar nisto; 
6º.) Sua auto-imagem e estima ficam mais prejudicados, reiniciando o ciclo. 

Procure lidar adequadamente com a auto - aceitação (reconhecer defeitos), autovalorização (acreditar que é importante), autopercepção (identificar as emoções prejudiciais), auto-estímulo (reforçar-se com carinho, recompensas), auto direcionamento (traçar rumos) e autodeterminação (querer chegar-lá).

Auto-estima é o valor físico e emocional que você dá a si mesmo. Ter auto-estima significa sentir-se alguém de valor e capaz de enfrentar desafios, perseguir objetivos e desenvolver soluções. Quanto maior a auto - estima, mais facilidade terá a pessoa em lidar com perdas, sofrimentos e desafios. Pessoas dotadas de nível saudável de auto-estima também se sentem inseguras ou sem esperança em determinados momentos, mas vencem facilmente esta fase. Elas recuperam o foco positivo da vida com maior rapidez.

Pessoas com nível de auto-estima pequeno receberam muitos estímulos negativos na fase de crescimento. Pais e professores bombardeiam a auto-estima dos jovens: “ você nunca vai ser nada na vida”, “ você não presta para nada mesmo ”, “ o filho do vizinho é melhor ”, “ seu irmão faz melhor ”. Dessa forma uma pessoa adulta não terá auto-estima em bom nível. Faça o que fizer, nunca se achará boa o suficiente. 

Três necessidades básicas não são sustentadas quando somos depreciados: ser notado ( = ser reconhecido ), ser aceito e ser amado. A satisfação destas necessidades básicas na infância causa grande impacto na maneira de ser do adulto e se não forem supridas, ele passará a vida tentando satisfazê-las, fazendo com que os outros lhe dêem atenção e o ajudem. Não obtendo o que deseja, terá sua auto-estima. 

As vezes não é a forma de dizer dos pais que prejudica a auto-estima, mas o modo como nós mesmos interpretamos os fatos da vida. Você pode ter sempre ouvido: “filho você é ótimo”, aí vai estudar e se dá mal. Sentir-se-á um fracassado, sem competência, um “burro”. A pessoa com auto-estima baixa não consegue enxergar suas qualidades e potencial, por isso é pouco criativa, insegura, dependente dos outros, tem pouca iniciativa, nos casos piores medos injustificados, timidez extrema e complexo de inferioridade. Em outros casos é perfeccionista, obsessiva, tensa, porque não aceita fazer as coisas se não for com perfeição, afinal precisa compensar o dito na infância: “você nunca faz nada certo!” 

Não existe fórmula milagrosa para desenvolver a auto-estima, mas uma série de recomendações que se aplicadas em conjunto, ajudarão você a vencer o derrotismo. Sugestões para desenvolver a auto-estima: 


Não se autocastigar quando ouvir coisas ruins a seu respeito. 
Saber administrar os altos (elogios) e baixos ( críticas) sem entrar em depressão. 
Saber gostar de si e apreciar a vida, mesmo que receba críticas fortes. 
Evitar crenças do tipo: “por mais que me esforce nunca serei tão bom”, “toda felicidade dura pouco”, “ não vale a pena se esforçar, sempre terá alguém melhor que eu”. 
Estabelecer metas de vida no campo da auto-estima para melhorar a qualidade do relacionamento consigo mesmo e com os outros. Busque ajuda em livros, cursos, palestras e terapias. 
Procure se conhecer melhor: analise porque sua auto-estima anda tão baixa; procure identificar objetivamente onde estão as causas específicas dos seus problemas, depois tente trabalhar as mesmas. Descobrir as causas é meio caminho para as soluções. O auto-conhecimento e a ajuda da psicologia permitirão identificar duas pessoas em você: a que você imagina ser e a que você é de fato mas está fraco para assumir. 
Procure substituir sentimentos de inferioridade por idéias positivas. Imagens negativas e idéias de auto - depreciação ficaram registradas em seu inconsciente. Você precisa estimular idéias construtivas ao seu próprio respeito. Procure se lembrar de fatos bons de sua vida quando surgirem os pensamentos negativos, isto elevará sua auto-estima. 
Vença o círculo vicioso do fracasso: 

1º.) Sua auto-imagem e estima estão afetadas (“Sou um fracasso”); 
2º.) Acontecimentos indesejáveis ocorrem na vida: (não ser reconhecido, perder o emprego, etc:); 
3º.) Tais acontecimentos reforçam a idéia de que é “um fracassado”; 
4º.) Surge o medo de fracassar; 
5º.) Você fracassa de tanto pensar nisto; 
6º.) Sua auto-imagem e estima ficam mais prejudicados, reiniciando o ciclo. 

Procure lidar adequadamente com a auto - aceitação (reconhecer defeitos), autovalorização (acreditar que é importante), autopercepção (identificar as emoções prejudiciais), auto-estímulo (reforçar-se com carinho, recompensas), autodirecionamento (traçar rumos) e autodeterminação (querer chegar-lá).
Auto-estima é o valor físico e emocional que você dá a si mesmo. Ter auto-estima significa sentir-se alguém de valor e capaz de enfrentar desafios, perseguir objetivos e desenvolver soluções. Quanto maior a auto - estima, mais facilidade terá a pessoa em lidar com perdas, sofrimentos e desafios. Pessoas dotadas de nível saudável de auto-estima também se sentem inseguras ou sem esperança em determinados momentos, mas vencem facilmente esta fase. Elas recuperam o foco positivo da vida com maior rapidez.

Pessoas com nível de auto-estima pequeno receberam muitos estímulos negativos na fase de crescimento. Pais e professores bombardeiam a auto-estima dos jovens: “ você nunca vai ser nada na vida”, “ você não presta para nada mesmo ”, “ o filho do vizinho é melhor ”, “ seu irmão faz melhor ”. Dessa forma uma pessoa adulta não terá auto-estima em bom nível. Faça o que fizer, nunca se achará boa o suficiente. 

Três necessidades básicas não são sustentadas quando somos depreciados: ser notado ( = ser reconhecido ), ser aceito e ser amado. A satisfação destas necessidades básicas na infância causa grande impacto na maneira de ser do adulto e se não forem supridas, ele passará a vida tentando satisfazê-las, fazendo com que os outros lhe dêem atenção e o ajudem. Não obtendo o que deseja, terá sua auto-estima. 

As vezes não é a forma de dizer dos pais que prejudica a auto-estima, mas o modo como nós mesmos interpretamos os fatos da vida. Você pode ter sempre ouvido: “filho você é ótimo”, aí vai estudar e se dá mal. Sentir-se-á um fracassado, sem competência, um “burro”. A pessoa com auto-estima baixa não consegue enxergar suas qualidades e potencial, por isso é pouco criativa, insegura, dependente dos outros, tem pouca iniciativa, nos casos piores medos injustificados, timidez extrema e complexo de inferioridade. Em outros casos é perfeccionista, obsessiva, tensa, porque não aceita fazer as coisas se não for com perfeição, afinal precisa compensar o dito na infância: “você nunca faz nada certo!” 

Não existe fórmula milagrosa para desenvolver a auto-estima, mas uma série de recomendações que se aplicadas em conjunto, ajudarão você a vencer o derrotismo. Sugestões para desenvolver a auto-estima: 


Não se autocastigar quando ouvir coisas ruins a seu respeito. 
Saber administrar os altos (elogios) e baixos ( críticas) sem entrar em depressão. 
Saber gostar de si e apreciar a vida, mesmo que receba críticas fortes. 
Evitar crenças do tipo: “por mais que me esforce nunca serei tão bom”, “toda felicidade dura pouco”, “ não vale a pena se esforçar, sempre terá alguém melhor que eu”. 
Estabelecer metas de vida no campo da auto-estima para melhorar a qualidade do relacionamento consigo mesmo e com os outros. Busque ajuda em livros, cursos, palestras e terapias. 
Procure se conhecer melhor: analise porque sua auto-estima anda tão baixa; procure identificar objetivamente onde estão as causas específicas dos seus problemas, depois tente trabalhar as mesmas. Descobrir as causas é meio caminho para as soluções. O auto-conhecimento e a ajuda da psicologia permitirão identificar duas pessoas em você: a que você imagina ser e a que você é de fato mas está fraco para assumir. 
Procure substituir sentimentos de inferioridade por idéias positivas. Imagens negativas e idéias de auto - depreciação ficaram registradas em seu inconsciente. Você precisa estimular idéias construtivas ao seu próprio respeito. Procure se lembrar de fatos bons de sua vida quando surgirem os pensamentos negativos, isto elevará sua auto-estima. 
Vença o círculo vicioso do fracasso: 

1º.) Sua auto-imagem e estima estão afetadas (“Sou um fracasso”); 
2º.) Acontecimentos indesejáveis ocorrem na vida: (não ser reconhecido, perder o emprego, etc:); 
3º.) Tais acontecimentos reforçam a idéia de que é “um fracassado”; 
4º.) Surge o medo de fracassar; 
5º.) Você fracassa de tanto pensar nisto; 
6º.) Sua auto-imagem e estima ficam mais prejudicados, reiniciando o ciclo. 

Procure lidar adequadamente com a auto - aceitação (reconhecer defeitos), autovalorização (acreditar que é importante), autopercepção (identificar as emoções prejudiciais), auto-estímulo (reforçar-se com carinho, recompensas), autodirecionamento (traçar rumos) e autodeterminação (querer chegar-lá).

Texto de Flávio Pereira, psicólogo, Cérebro & Comunicação – Desenvolvimento Pessoal.